In Brazil, as in the American market, many investors have migrated from buying offices and flats for the application in Real Estate Investment Funds and others types of investments that are results of the securitization portfolios. Despite the great advantage in agility of investment and

disinvestment in contrast to immobilization resulting from direct investment in the property, the lack of knowledge regarding the market behavior, coupled with the lack of evaluation criteria and quality indicators related to this investment, contributes to the generation of expectations far away from reality and this may inhibit capital investment by small and medium investors, which make up the largest share in the context of FIIs. Furthermore, the information submitted by FIIs in periodic reports there is no standardization in methodology of construction and presentation, which become dificult to make a comparative analysis for decision making. In some cases, the information comes to be superficial or even insufficient, influencing the process of buying and selling shares of this investment product and consequently distortions in the market values of assets. In view of the now exposed context, it is intended in this article, analyze monthly reports from seven different managers in order to identify the gaps found in the presentation and formatting of the indicators disclosed, and report gaps of information found. The provision of consistent information, together with the investor's knowledge, contributes to market stability, increases the degree of investor confidence, helps to increase the volume of clumped resources and consequently promotes the development of EEL segment at national level, creating jobs and stimulating the economy as a whole.

No Brasil, à semelhança do mercado americano, muitos investidores têm migrado das compras de escritórios e flats, para a aplicação em Fundos de Investimentos Imobiliários (FII) e outros produtos de investimentos resultado da securitização de portfólios. Apesar de ter a grande vantagem da agilidade de investimento e desinvestimento em contrapartida à imobilização decorrente do investimento direto no imóvel, a falta de conhecimento com relação ao comportamento de mercado, aliada ao desconhecimento dos critérios de avaliação e indicadores de qualidade desse tipo de investimento, acaba por contribuir paraa geração de expectativas “descoladas” do desempenho potencial do portfólio, podendo inibir a aplicaçãode capital pelos pequenos e médios investidores, os quais constituem a maior parcela no contexto dos FIIs. Além disso, as informações apresentadas pelos FIIs nos informes periódicos carecem de padronização quanto à metodologia de construção e apresentação, o que dificulta a análise comparativa para a tomada de decisão. Em alguns casos, a informação chega a ser superficial ou até mesmo insuficiente, influenciando no processo de compra e venda de cotas desse produto de investimento e consequentemente distorções nos valores de mercado dos ativos. Tendo em vista o contexto ora exposto, pretende-se neste artigo, analisar os relatórios mensais de sete gestores diferentes com o objetivo de identificar as disparidades encontradas na forma de apresentação e formatação dos indicadores divulgados, bem como relatar as lacunas de informações encontradas. A disponibilização de informações consistentes, aliada ao conhecimento do investidor, além de contribuir para a estabilidade do mercado - aumentando o grau de confiança dos investidores - contribui para aumentar o volume de recursos aglutinados e consequentemente fomentar o desenvolvimento do segmento de EEL a nível nacional, gerando empregos e estimulando a economia como um todo.