The decade of 2000 was marked by the expressive growth of property development in the main Brazilian cities. The expansion of the real state credit, in addition to the improvement of macroeconomic variables contributed to a production of a big number of housing units, boosting the building industry even in the context of the international crisis (2008). This real estate boom thrived in Brazil up to the year of 2011, triggered by the imminent realization of mega sporting events in many Brazilian capitals and by the opening of bank stock of the real estate sector, hence especially stimulating the geographic expansion of operation in some of the main real estate companies in Brazil. Since 2011 there has been a reversal of this phenomenon; apparently due to exhaustion in the absorption capacity of the market by new housing units, especially as a result of the recrudescence of the political and economic crisis that the country has been through. It is speculated that the result of this phenomenon was the occurrence of housing bubbles present in some counties, or even nationwide, whose burst or deflation would be affecting the practiced estate prices through one strong process of devaluation.

Natal, capital of Rio Grande do Norte, may be cited as a market that represents this phenomenon. Medium-sized city with a growing real estate market, consisting mostly of local origin companies or neighboring states. Its economy strongly oriented to tourist activity has been marked in recent years by the use of second homes and flats by some of the foreigners. This process and condition of being a host- city for the World Football Cup (2014) attracted the attention of nationally renowned companies that have come to act here.

In this context, there was an increase of over 500% in the number of units registered in the registry office under the merger scheme in the 2000s – in comparison to the previous decade. However, even before the execution of the sporting event, a significant downtrend in the number of projects being launched was already visible, as well as the decline in the construction employment level.

Through a survey of real estate development of over 14,000 housing units registered between 2011 and 2015 and the database produced by QUEIROZ (2012), a new database was built, being able to assess the valuation of the property’s production cost and its market price, the decline in the amount of real estate records in the last five years and the depreciation in the market price of real estate in recent years, which possibly would be happening as a result of the crisis. Preliminary data point to a price maintenance, artificially altered as a consequence of the boom, in relation to the previous standards, characterizing a gradual emptying situation of the possible bubble. On the other hand, there was a drop of almost 75% in real estate records between 2011 and 2015, as well as major devaluations that were found in neighborhoods affected by natural disasters, pointing out local causes as more effective motivators in changing real estate prices. 

A década de 2000 foi marcada por um expressivo crescimento da promoção imobiliária nas principais cidades brasileiras. A expansão do crédito imobiliário juntamente com a melhoria de variáveis macroeconômicas contribuiu para uma produção de unidades habitacionais, impulsionando a indústria da construção mesmo no contexto de crise internacional (2008). Esse boom imobiliário prosperou no Brasil até o ano de 2011, embalado pela iminente realização de megaeventos esportivos em várias capitais brasileiras e pela abertura de capital do setor imobiliário, estimulando especialmente a expansão geográfica da atuação de algumas das principais empresas de incorporação imobiliária do Brasil. A partir de 2011 há uma reversão no fenômeno, aparentemente devido ao esgotamento da capacidade de absorção do mercado por novas unidades habitacionais e, especialmente, em função do recrudescimento da crise política e econômica que o país ora atravessa. Especula-se que o resultado desse fenômeno foi a ocorrência de bolhas imobiliárias pontuais em alguns municípios, ou mesmo em âmbito nacional, cujo estouro ou esvaziamento, estaria afetando os preços imobiliários praticados através de um processo de desvalorização.

Natal, município de porte médio e capital do Rio Grande do Norte, tem sua economia voltada para a atividade turística. Com mercado imobiliário crescente, constituído em sua maioria por empresas de origem local ou de estados circunvizinhos, atravessou no início da década de 2000 por um momento de ampliação do consumo de segundas residências e flats por parte de estrangeiros. Esse processo e a condição de sede da copa do mundo de futebol (2014) atraiu a atenção de empresas de porte nacional que aqui vieram atuar. Nesse contexto registrou-se um crescimento de mais de 500% na quantidade de unidades habitacionais lançadas na década de 2000 - em relação à década anterior. No entanto, mesmo antes da realização do evento esportivo já era perceptível a expressiva desaceleração da oferta, bem como a queda no nível de empregabilidade da construção civil.

Através de um levantamento de mais de 14.000 unidades habitacionais, registradas entre os anos de 2011 e 2015 construiu-se um banco de dados capaz de avaliar a valorização entre o custo de produção dos imóveis e seu preço de mercado, a queda na quantidade de registros imobiliários nos últimos cinco anos e a desvalorização no preço de mercado dos imóveis nos últimos anos. Os dados apontam para uma acomodação dos preços, alterados artificialmente por ocasião do boom, para os patamares anteriores, caracterizando uma situação de esvaziamento gradual da suposta bolha. Por outro lado, houve uma queda de quase 75% nos registros imobiliários entre 2011 e 2015, como também, foram detectadas fortes desvalorizações em bairros atingidos por desastres naturais, apontando as causas locais como motivadores mais efetivos na alteração dos preços imobiliários.