The Program Minha Casa Minha Vida is a social project intended primarily to reduce the housing deficit and the number of poor households, i.e., aims to reach low-income families, local residents of risk, substandard housing, among other situations. Distinguished by income ranges as, focus of this study, the Track 1 that in phase three of the program, launched in 2016, comprises families that have monthly gross income of at most R$ 1.800,00, in this range, the Department of Treasury banking the value of buildings for contractors and assumes the risk of default. Such indebtedness reached in July 2015, 25.77% in the number of beneficiaries. In this way, this study aims to analyze the delinquency rate per state, seeking to see which contribute the most to this number by means of graphical analysis and test for the comparison of averages of Scott-Knott, as well as seeking to elucidate the factors that contribute to the increase in default rates using the correlation analysis, the data are made available by the Caixa Econômica Federal. The findings found that the State of Amapá has the largest number of beneficiaries in delay, 50.7% already the Federal District has the lowest number, 2.92%. By using the test Scott-Knott we attempted to understand the default levels regarding the Economically Active Population (PEA), in this way the state of Alagoas has presented the highest index of delinquent every thousand inhabitants. Finally, by means of analysis of correlation, the unemployment rate and the rate of inflation are the variables that spell in national scope the default rate. It is concluded that these factors affect directly the income of families away, increasingly, of the desired liquidation and mitigation of the accumulated debts.

O Programa Minha Casa Minha Vida é um projeto social destinado, prioritariamente a reduzir o déficit habitacional e o número de domicílios pobres, ou seja, visa atingir famílias de baixa renda, moradores de locais de risco, habitações precárias, entre outras situações. Distinguido por faixas de renda como, foco deste estudo, a Faixa 1 que na fase três do programa, lançada em 2016, compreende famílias que possuem renda bruta mensal de no máximo R$ 1.800,00, nessa faixa, o Tesouro banca o valor das construções para as empreiteiras e assume o risco de inadimplência. Tais índices de endividamento chegaram a atingir em julho de 2015, 25,77% do número de beneficiários. Deste modo, essa pesquisa visa analisar a inadimplência por estado, buscando constatar quais os que mais contribuem para esse número por meio de análise gráfica e teste de comparação de médias de Scott-Knott, bem como procura elucidar fatores que contribuem para esse aumento da inadimplência utilizando análise de correlação, os dados são disponibilizados pela Caixa Econômica Federal. Os achados constataram que o estado do Amapá possui o maior número de beneficiários em atraso, 50,7% já o Distrito Federal possui o menor número, 2,92%. Por meio do teste de Scott-Knott buscou-se compreender os níveis de inadimplência referentes à População Economicamente Ativa (PEA), deste modo o estado de Alagoas apresentou o maior índice de inadimplentes a cada mil habitantes. Por fim, por meio de análise de correlação, a taxa de desemprego e a taxa de inflação são as variáveis que elucidam em âmbito nacional a taxa de inadimplência. Conclui-se, que esses fatores afetam diretamente a renda das famílias afastando-as, cada vez mais, da desejada liquidação e mitigação das dívidas acumuladas.