The concrete object of the present research is the built-up stock of multifamily residential buildings launched in the city of São Paulo between 2005 and 2014, analyzed from the point of view of the thermal performance of the residencial units and the impacts on urban mobility.

The purpose of this work is the architectural and constructive characterization of the residential units, essencial for the evaluation of their thermal performance and thermal comfort of their users, as well as the study of the provision of parking lots and bike racks for the residents and the location of the buildings in relation to the public transport system. The reasearch was conducted by the lack of data on São Paulo's housing production by the Real Estate market, boosted by the economic growth of the brazilian economy.

The main hypothesis of this work point-out the progressive search for cheaper, more agile constructive systems as a catalyst for the understading of the Real Estate product as a financial investment and not as an opportunity for architecture development. As the quality of real estate production becomes increasingly questioned, a rating of what is being produced becomes necessary. The first part of the research analyzes the factors that have a direct influence on the performance of the real estate market. The second part, in turn, gathers basic information about the universe of residential building launched in the city of São Paulo between 2005 and 2014, in addition to the architectural and construtive characterization of fifteen typologically distinct representative units. The third and final part presents a comparative analysis of the environmental thermal variables in four selected units. The high standardization identified in the brazilian residencial built-up stock classifies it as thermally and urbanistically questionable. If the vertical residential units produced by the market in the last decades already present debatable thermal performance, how will they react to the new global climate scenario, characterized by the progressive increase of average temperatures and significant reduction of relative air humidity, especially in large urban centers? And what will be the impacts of the recent real estate developments on the already deficient urban mobility of the Latin America's largest city?

O objeto desta pesquisa é o estoque de edifícios residenciais multifamiliares lançados na cidade de São Paulo entre 2005 e 2014, analisado do ponto de vista do desempenho térmico das unidades e dos impactos na mobilidade urbana.

O objetivo é a caracterização projetual e construtiva das unidades residenciais, fundamental para a avaliação do seu desempenho térmico e consequente conforto dos usuários, além do estudo do oferecimento de vagas de estacionamento para veículos automotores e bicicletas e da localização dos edifícios em relação aos eixos de transporte público. A pesquisa justifica-se pela carência de dados sobre a produção de moradia pelo mercado imobiliário neste século na cidade de São Paulo, marcado pela intensa atividade imobiliária no período 2005-2014, em decorrência do favorável panorama econômico nacional.

A premissa adotada no desenvolvimento do trabalho aponta a busca progressiva por métodos construtivos cada vez mais ágeis e econômicos como fator catalisador do entendimento do produto imobiliário como um investimento financeiro e não, necessariamente, como oportunidade de produção arquitetônica. Na medida em que a qualidade do ambiente construído passa a ser cada vez mais questionada, a avaliação do que se está sendo praticado pelo mercado torna-se necessária, abrangendo desde aspectos construtivos até o impacto dos mesmos nas avaliações de conforto ambiental dos usuários da edificação. A primeira parte do trabalho analisa os fatores que exercem influência direta na atuação do mercado imobiliário. A segunda parte, por sua vez, reúne informações básicas acerca do universo de lançamentos imobiliários residenciais verticais na cidade de São Paulo no recorte cronológico adotado, além da caracterização construtiva e projetual de quinze unidades representativas tipologicamente distintas. A terceira e última parte apresenta uma análise comparativa das variáveis térmicas ambientais em quatro das quinze unidades representativas do universo. O elevado grau de padronização identificada no mercado imobiliário habitacional brasileiro o classifica como questionável do ponto de vista térmico e de mobilidade urbana. Se as unidades residenciais verticais produzidas pelo mercado nas últimas décadas já apresentam, atualmente, desempenho térmico discutível, como reagirão ao novo cenário climático mundial, marcado pelo aumento progressivo das temperaturas médias e redução significativa da umidade relativa do ar, principalmente nos grandes centros urbanos? E quais serão os impactos desses empreendimentos imobiliários na já deficiente mobilidade urbana da maior cidade da América Latina?