This work establishes the equations and calculates the quotient of the space for the cars and the total built and floor area of buildings since 1985 in São Paulo. The intention is to visualize the evolution of this curve over the years in the city and analyze its trend for the next 10 years.

This indicator is important because: 1-When analyzed its historical development since 1930 (when buildings started to allocate areas for automobile parking) until the present day, one can visualize the behavior of the resulting curve of this index over the time, and discuss possible future trends; 2-It can be related to air pollution and greenhouse gases (GHG) emissions; 3-It can be used as a benchmark for infrastructure planning and public policies, as well as for the design of real estate projects that will be produced in a medium and long term by the real estate industry and the government; 4-may become one of the indicators for assessing the sustainability of cities; 5-In conjunction with the relationship between the area allocated for automobile parking in buildings and fleet, may be used to check changes in the average size of motor vehicles in the coming years if this size decreases due to the increasing number of more compact, personal urban vehicles, with capacity for only one or two people.

Este trabalho estabelece as equações e calcula o quociente entre o espaço destinado à automóveis e a área total construída e privativa das edificações residenciais e comerciais, desde 1985 em São Paulo.
A intenção é visualizar a evolução desta curva ao longo dos anos na cidade e analisar a tendência de sua evolução para os próximos 10 anos.

Este indicador é importante pois: 1-Quando analisada sua evolução histórica, desde 1930 (quando os edifícios começaram a destinar áreas para o estacionamento de automóveis) até os dias de hoje, pode-se visualizar o comportamento da curva resultante deste índice ao longo do tempo, e discutir uma possível tendência futura; 2-É um dos parâmetros que podem ser relacionados à poluição atmosférica e emissão de gases de efeito estufa (GEE); 3-Pode ser utilizado como parâmetro de referência, para a elaboração de planejamento de infraestrutura e políticas públicas, bem como para a concepção de empreendimentos que serão produzidos num médio e longo prazo, pela indústria imobiliária e pelo poder público; 4-Pode se tornar um dos indicadores para a avaliação da sustentabilidade das cidades; 5-Em conjunto com a relação entre área para garagens e frota, poderá ser verificada a evolução do espaço médio destinado aos automóveis nos próximos anos, caso este tamanho diminua, devido ao aumento do número de veículos urbanos pessoais, mais compactos, com capacidade apenas para uma ou duas pessoas.