On July 19, 2013, the new version of NBR 15.575 – “Norma de Desempenho para Edificações Habitacionais” – was made effective. The previous standard, published on 2008, provided guidelines for residential buildings up to five floors. The new rules, however, establishes requirements targeted at residential buildings of all sizes to regulate projects filed at public administration from the above date. Developers, builders, designers, material suppliers and the homeowners themselves are primarily responsible for meeting the minimum performance criteria. Based on the above, this paper aimed to investigate the initial impact on the topic in faculty of architecture and civil engineering and architectural offices, structural and complementary facilities projects. For the methodology, a literature review on the performance requirements was held in buildings, in order to identify the main changes and requirements of the new version of the rules. Finally, questionnaires addressing important aspects of the standard were sent to offices of designers and academics from universities in the city of Teresina-PI. The main objective of the research was to evaluate the effects of the NBR 15.575 in academic and engineering offices and architecture: the knowledge of that NBR, the responsibilities imposed, the demands of users and the spread of the norm in universities. The study shows that teachers of architecture - so far - are more aware of the changes and impacts the validity of the current standard causes. According to the study, it was found that the offices are still adjusting to the new norm, given the greater responsibility during the process of developing projects in order to address the key issues related to the performance of building maintainability together with its systems, durability of construction and comfort of users.

Em 19 de julho de 2013, entrou em vigor a nova versão da NBR 15.575 – Norma de Desempenho para Edificações Habitacionais. A versão anterior, publicada em 2008, previa diretrizes para construções residenciais de até cinco pavimentos. A nova normativa, no entanto, estabelece requisitos direcionados a edificações residenciais de qualquer porte, para obras com projetos protocolados em órgão públicos a partir da data supracitada. Incorporadores, construtores, projetistas, fornecedores de materiais e os próprios usuários constituem os principais responsáveis pelo atendimento aos critérios mínimos de desempenho. Com base no exposto, este artigo visou investigar o impacto inicial sobre o tema no meio acadêmico (representado por docentes de arquitetura e de engenharia civil) e em escritórios de projetos arquitetônicos, estruturais e de instalações complementares. Como metodologia, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre os requisitos de desempenho em edificações, com o intuito de levantar as principais mudanças e as exigências da nova versão da normativa. Por fim, foram traçados questionários que abordaram aspectos importantes da norma, aplicados aos projetistas de escritórios e aos acadêmicos de universidades da cidade de Teresina-PI. O objetivo principal da pesquisa foi avaliar os reflexos da NBR 15.575 no meio acadêmico e em escritórios de engenharia e de arquitetura: o conhecimento acerca da referida NBR, das responsabilidades instituídas, as exigências dos usuários e a disseminação da norma no meio acadêmico. O trabalho mostra que os docentes de arquitetura – até o momento – estão mais cientes das modificações e dos impactos que a vigente norma ocasiona. De acordo com o estudo, constatou-se que os escritórios ainda estão se adaptando à nova norma, haja vista a maior responsabilidade durante o processo de elaboração dos projetos, no sentido de atender as questões primordiais correlatas ao desempenho de uma edificação: manutenibilidade do edifício e de seus sistemas, durabilidade da construção e conforto dos usuários.