Previous to industrial revolution (IR), buildings or multifunctional spaces are those naturally appeared, integrated in urban tissue of European cities. Men worked, had fun, and lived in a small ray. After IR, the cities structure became complex, and the ancient pedestrians city became the "road city". New functional activities and different consumption needs emerged. In the twentieth century, the formulated doctrine bythe CIAM, recommended city’s zoning, enunciating four functions: to inhabit; work; have fun; and circulate. And so the communities were decomposed into parts. With a new city’s structure, United States encouraged decentralization and population displacement toward the suburbs. Traders followed the consumer. A combination of favorable factors allowed the emerging of shopping center. The urban centers lost: their vitality, quality of life, the richness of its complexity and contrast. Its deterioration was inevitable. The emergence of shopping malls in the peripheries leveraged new regions development, sub- centers with quality of life. The traditional centers suffered decades of deterioration, and for scholars, itwas possible to plan retail trade as a strategy for its revitalization, adopting private shopping center’sbusiness philosophy. This paper deals with the new role played by shopping centers: to be part of private projects or public/private partnerships with a view to restore cities dynamism by installing itself in central or deteriorated areas, promoting urban redevelopment solutions. Two examples are analyzed: the MyZeil Shopping Mall, a building incorporating innovative technology in steel structure and high-performance glass, and participant in the recovery process of Zeil, Frankfurt's main shopping street in Germany; the Selfridges, a large store in curvilinear concrete structure covered with 15,000 aluminum discs, an anchor part of the revitalization project through retail trade in Bullring, Birmingham, UK. At the end the role of each one is highlighted, the quality of its projects and strategic proposals that culminated in making both regions into poles of tourist visitation.

Anteriores à revolução industrial (RI), edifícios ou espaços plurifuncionais são aqueles surgidos naturalmente, integrados no tecido urbano de cidades europeias. O homem trabalhava, se divertia e habitava dentro de um pequeno raio. Após a RI, a estrutura das cidades se tornou complexa, e a antiga cidade de pedestres se tornou a “cidade rodada”. Surgiram novas atividades funcionais e diferentes necessidades de consumo. No século XX, a doutrina formulada pelo CIAM, pregou a zonificação das cidades, enunciando quatro funções: habitar; trabalhar; se divertir; e circular. E, as comunidades se decompuseram em partes. Com uma nova estrutura das cidades, os Estados Unidos incentivaram a descentralização e o deslocamento populacional em direção ao subúrbio. Os comerciantes acompanharam o mercado consumidor. Uma conjunção de fatores favoráveis permitiu o surgimento do “shopping center”. Os centros urbanos perderam: sua vitalidade, qualidade de vida, a riqueza da sua complexidade e contraste. Sua deterioração foi inevitável. O aparecimento dos shopping centers nas periferias alavancou o desenvolvimento de novas regiões, subcentros com qualidade de vida. Os centros tradicionais sofreram décadas de deterioração, e para estudiosos, era possível se planejar o comércio varejista como estratégia de sua revitalização, adotando a filosofia empresarial dos shopping centers privados. Este texto trata do novo papel desempenhado pelos centros comerciais: o de fazer parte de projetos privados ou de parcerias público/privadas tendo em vista devolver o dinamismo às cidades se instalando em áreas centrais ou deterioradas, promovendo soluções de requalificação urbana. Dois exemplos são analisados: o MyZeil Shopping Mall, edificação abrigando tecnologia inovadora em estrutura de aço e vidros de alto desempenho, participante do processo de recuperação da Zeil, principal rua comercial de Frankfurt na Alemanha; a Selfridges, grande loja em estrutura de concreto curvilínea revestida com 15.000 discos de alumínio, âncora do projeto de revitalização através do comércio varejista em Bullring, Birmingham, Grã Bretanha. Ao final ressalta-se o papel de cada um, a qualidade de seus projetos e propostas estratégicas que culminaram em tornar ambas as regiões em polos de visitação turística.