This study examines the relationship between housing policy for low-income population and inclusion of urban conditions. As there is a maximum subsidy per unit without considering its location, low-income citizens will inhabit remote and devalued areas, far from the center of employment and contributing to the spread of cities. The distances between employment and residence make the use of alternative transport impossible, forcing motorized trips. This increases the number of vehicles, which makes the traffic heavy and the transportation system expensive and inefficient. There is an increasing on pollution and reduction on the quality of life in the city. In this study, it is presented a costs calculation model to justify subsidy differentiation including socio-economic factors, infrastructure,indicators of quality of life and environmental impact, in order to support economic evaluation of low-income population housing programs.

Este estudo analisa a relação entre a política habitacional para população de baixa renda e as condições de inclusão urbana. Como existe um subsídio máximo por unidade sem considerar a sua localização, os cidadãos de baixa renda habitam áreas afastadas e desvalorizadas, longe do centro de emprego e contribuindo para a dispersão das cidades. As distâncias entre emprego e residência tornam o uso de transportes alternativos impossível, forçando deslocamento motorizado. Com isso, há aumento do número de veículos, o que torna o trânsito intenso e o sistema de transporte público oneroso e ineficiente. Há também aumento da poluição e redução da qualidade de vida na cidade. Neste estudo, é apresentado um modelo de cálculo de custos para a diferenciação de subsídios que inclui fatores sócio-econômicos, infra- estrutura, indicadores de qualidade de vida e do impacto ambiental, a fim de apoiar a avaliação econômica de programas de habitação para baixa renda.