Companies are flexible institutions that will, overtime, evolve their strategies in order to maintain or increase its profitability according to market conditions. The international geographic expansion strategies are the result of responses to changes in the local environment and viewing opportunities in new markets due to their skills. This article shows the conditions and skills to how a Real Estate company plans a strategy of geographical expansion, with demand from international markets. Likewise, the research evaluates the competencies of Brazilian Real Estate companies in the last national expansion through the five major business models adopted by companies as a reference for expansion aiming at international markets, namely: self-development, partnership, joint venture, acquisition and fusion. Consequently, many Real Estate companies that were developing in new markets have taken advantage of the business model and they could use the experience for competence necessary for internationalization processes. On the other hand, it was shown in this expansion throughout Brazil that many firms' capabilities were not developed properly as useful skills for international expansion, which led to failure of governance, especially a fragile cost control and deficient risk assessments in business models.

As empresas são instituições flexíveis que no decorrer do tempo evoluem suas estratégias com o objetivo de manter ou aumentar sua rentabilidade de acordo com as condições do mercado. As estratégias de expansão geográfica internacional são resultado de respostas às alterações do meio local e à visualização de oportunidades em novos mercados devido às suas competências. O presente artigo mostra quais são as condições e competências para que uma empresa imobiliária planeje uma estratégia de expansão geográfica, com a procura de mercados internacionais. Assim também, o trabalho avalia as competências das empresas de Real Estate brasileiras na recente expansão geográfica nacional por meio dos cinco principais modelos de negócios adotados pelas empresas, a saber: desenvolvimento próprio, parcerias, Joint Venture, aquisição e fusão, como referência para uma expansão visando mercados internacionais. Consequentemente, ao desenvolver-se em novos mercados muitas das empresas imobiliárias aproveitaram as vantagens do modelo de negócios adotado e podem utilizar a experiência para gerar competências necessárias para processos de internacionalização. Todavia, mostrou-se nesta expansão pelo território brasileiro, que muitas capacidades das empresas não foram desenvolvidas adequadamente como competências úteis para uma expansão em mercados internacionais, e o que gerou incapacidade de governança, principalmente, frágil controle de custos e deficientes avaliações de risco nos modelos de negócios.