This study aims to analyze, compile and compare key financial indicators and the strategic objectives of the fifteen companies listed on the BM & FBOVESPA Novo Mercado, to obtain reliable information about the current situation of the Brazilian construction industry. In Releases disclosure results were analyzed the industry's operational data, sales value, sales, inventory, land bank, cancellation or transfer and also financial data such as net revenue, gross margin, operating cash flow, net margin and debt . The companies went through a capitalization process 2005 to 2009, followed by strong growth until 2011, when the challenge of managing large operations jeopardized the financial health indicators in the industry. All companies have revised their strategies, focused on process optimization in order to improve its profitability. In 2014 we see the sector with significant stock units and land bank potential, financial indicators pointing recovery in some companies and challenging for others. Net margins have not returned to the 2007 level and the debt is at high levels. The real estate market is influenced by the economic environment and credit availability both quite restrictive in 2015, but the Brazilian demographics and the housing deficit should maintain demand for the coming years, when companies must obtain a more balanced and forward operation to goods and squares of their expertise.
Este estudo tem por objetivo analisar, compilar e comparar os principais indicadores financeiros e os objetivos estratégicos das quinze companhias listadas na BM&FBOVESPA, Mercado Novo, para obter informações consistentes sobre a atual situação do setor de construção civil brasileiro. Nos Releases de divulgação de resultado foram analisados os dados operacionais do setor, Valor Geral de Vendas, vendas, estoque, banco de terrenos, distratos e repasse e também dados financeiros como receita líquida, margem bruta, geração de caixa operacional, margem liquida e endividamento. As Companhias passaram por um processo de capitalização de 2005 a 2009, seguido de forte crescimento até 2011, quando o desafio de administrar grandes operações comprometeu os indicadores de saúde financeira do setor. Todas as empresas reviram suas estratégias, focaram na otimização de processos com objetivo de melhorar sua rentabilidade. Em 2015 observa-se o setor com estoque expressivo de unidades e potencial de banco de terrenos, indicadores financeiros apontando recuperação em algumas companhias e desafiador para outras. As margens líquidas não voltaram ao patamar de 2007 e o endividamento encontra-se em níveis elevados. O mercado imobiliário é influenciado pelo cenário econômico e disponibilidade de crédito ambos bastante restritivos em 2015, mas o perfil demográfico brasileiro e o déficit habitacional devem manter a demanda para os próximos anos, quando as companhias devem obter uma operação mais equilibrada e voltada para produtos e praças de sua expertise.