There is not real estate company immune to environmental threats. Market saturation, general demand decline, competitive pressures and obsolescence in the products are some of the situations that may lead companies to review their products and marketing strategies. For these reasons, market development in international latitudes presents itself as an option for real estate companies who wish for an established standard in their profit and growth objectives, taking advantage of the opening up of international markets and favorable conditions, such as: urban planning policies, release of tax rates and demographic changes. It creates the need for assessing these foreign markets in order to validate them as a possible object of action. The aim of this work is to demonstrate the macro-environmental forces and micro-environmental agents in international residential real estate markets that influence the performance of companies. We analyzed the main economic, legal-political and socio-cultural conjunctures of Costa Rica that influence its residential market; along with the characteristics of said market, such as: maximum demand, credit lines, competitive action among others, in order to distinguish the opportunities and threats for foreign firms due to these exogenous elements. Environmental analysis concluded that international markets such as Costa Rica’s present economic situations could represent a risk for the development of business in real estate, but on the other hand, the legal-political conjunctures would give advantages to companies with experience in high-density housing projects and socio-cultural conditions would provide valuable human resource. It was also clear that the micro-environmental agents, such as market size, the financial system and the role of local competition define how attractive is this market to companies looking to internationalize their activities.

Não existe empresa de real estate imune às ameaças de seu entorno. Saturação do mercado, declínio geral da procura, pressões da concorrência e obsolescência de seus produtos são algumas das situações que podem levar as empresas a revisar suas estratégias de produção e mercado. Por essas razões, o desenvolvimento de mercados em latitudes internacionais apresenta-se como uma opção para as empresas de real estate que desejam alcançar certo patamar em seus objetivos de lucro e crescimento, aproveitando a abertura dos mercados internacionais e condições favoráveis destes como: políticas de ordenamento urbano, liberação de taxas fiscais e mudanças demográficas. Cria-se então a necessidade de avaliar estes mercados estrangeiros com o propósito de validá-los como possível objeto de ação. O objetivo deste trabalho é mostrar as forças macroambientais e os agentes microambientais nos mercados internacionais de real estate residencial que influem no desempenho das empresas. Foram analisadas as principais conjunturas econômicas, políticas legais e socioculturais da Costa Rica que influem em seu mercado residencial, e as características próprias destes como: demanda máxima, linhas de crédito, ação da concorrência entre outras, destacando destes elementos exógenos as oportunidades e ameaças que as empresas estrangeiras podem enxergar neste mercado. Conclui-se da análise ambiental que em mercados internacionais como o costarriquenho as conjunturas econômicas atuais poderiam representar um risco para o desenvolvimento de negócios em real estate, mas, por outro lado, as conjunturas político-legais dariam vantagens às empresas com experiência em projetos de alta densidade habitacional e as condições socioculturais forneceriam recurso humano de qualidade. Também ficou claro que os agentes microambientais, como o tamanho do mercado, o sistema financeiro para moradia própria e a atuação da concorrência local são quem definem quão atrativo é este mercado para as empresas interessadas em internacionalizar suas atividades.