In Sao Paulo city town are registered more than seven million vehicles, which 5.6 million are cars. According to CET (Traffic Engineering Company of São Paulo), about 3.5 million of cars move daily, with an estimated occupancy of 1.2 persons per vehicle. The consequences of this model are very known, mosto of all those related to traffic and pollution. However, there is an important aspect to considerate: the physical space for the car when it is parked.

In this context, this paper tries to scale the production of parking spaces in vertical residential real estate projects launched from 1992 to 2012 and from this survey, estimating the space for cars. To understand the production of vacancies, we used as indicator the number of car parking per residential unit launched, shown in recent years a decrease in the variation and values below the average. This result directly reflects the combination of the launches movement by size of the units, because a tendency as the largest residential unit floor area, the is a greater number of car parking.

In porpose, to measure the parking impact exert on the construction of residential buildings, we used other indicators such as: percentage of parking in relation to the built area; percentage of parking in relation to the private area; percentage of the garage area in relation to the built area; percentage of the garage area in relation to the private area.

Na cidade de São Paulo estão cadastrados mais de sete milhões de veículos, dos quais 5,6 milhões são automóveis. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo), cerca de 3,5 milhões circulam diariamente, com uma ocupação estimada de 1,2 pessoas por veículo. As conseqüências desse modelo são bem conhecidas, sobretudo aquelas relacionadas ao trânsito e à poluição. Porém, há um aspecto importante a ser considerado: trata-se do espaço físico destinado ao automóvel quando o mesmo está estacionado.

Diante deste contexto, o presente artigo procura dimensionar a produção de vagas de garagem nos empreendimentos imobiliários residenciais verticais lançados no período de 1992 a 2012 e, a partir deste levantamento, estimar o espaço destinado aos automóveis.
Para se compreender a produção de vagas, empregou-se o indicador número de vagas de automóveis por unidade residencial lançada, apresentando uma queda na variação e valores abaixo da média nos últimos anos. Este resultado reflete diretamente na combinação entre o movimento de lançamentos por porte das unidades, pois existe uma tendência de que quanto maior for a área útil da unidade residencial, maior é o número de vagas disponível para automóveis.

Ademais, com o intuito de medir o impacto que as vagas de automóveis exercem sobre a construção de edifícios residenciais, utilizou-se outros indicadores, tais como: percentual da área de vagas de automóveis em relação à área construída; percentual da área de vagas de automóveis em relação à área privativa; percentual da área de garagem em relação à área construída; percentual da área de garagem em relação à área privativa.