In 1995, it was created the Tourism Development Program in the Northeast (PRODETUR NE), in order to encourage international tourism, there was a greater dissemination of this Brazilian region in the European market. Since 2000s, the flow of tourists enhanced, resulting in the search for flats and second homes, real estate-tourism, in the main northeastern cities, such as Natal/RN. Furthermore, occured the improvement in macroeconomic indicators, government incentives and the expansion of large companies’ production, which were capitalized between 2005 and 2009, through the opening of capital in the São Paulo Stock Exchange. All of these factors have resulted in the heating of the real estate market in the city of Natal/RN, attracting large investments and a strong production of exogenous developers and builders to the local market. The objective of this article is to characterize the production, registered under the real estate development regime, of companies outside the local market, during the period from 2000 to 2015. For the characterization of registered real estate units, criteria such as productivity, through the investigation of the number of enterprises, global area of construction and the number of housing units; standard, using aspects such as the private area and the number of suites of each unit; besides the spatialization of production. Combined methodological procedures were applied in order to optimize data collection and analysis of results, with subsequent elaboration of graphs and tables. The results showed an oscillation of production during the years 2000 to 2006, with a gradual increase from the year 2007 to 2011, when there was a vertiginous fall, begun in 2012, culminating with a stagnant production in the year of 2015, reflecting the economic scenario experienced at the time.

Com a criação, em 1995, do Programa de Desenvolvimento Turístico no Nordeste (PRODETUR NE), visando incentivar o turismo internacional, houve uma maior divulgação dessa região brasileira no mercado europeu. Com o aumento do fluxo de turistas, a partir dos anos 2000, também cresceu a busca por flats e segundas residências, o turismo-imobiliário, nas principais cidades nordestinas, como Natal/RN. Pode-se somar ainda a melhora nos indicadores macroeconômicos, incentivos governamentais e a expansão da produção de grandes empresas que se capitalizaram, entre os anos de 2005 e 2009, através da abertura de capital na bolsa de valores de São Paulo. Todos esses fatores resultaram no aquecimento do mercado imobiliário da cidade de Natal/RN, atraindo grandes investimentos e uma forte produção de incorporadoras e construtoras exógenas ao mercado local. O presente artigo tem como objetivo caracterizar a produção, sob o regime de incorporação imobiliária, das empresas externas ao mercado local, as quais tiveram uma produção maior que 10.000 m2 durante o período de 2000 a 2015. Para a caracterização das unidades imobiliárias registradas foram utilizados critérios como: produtividade, através da averiguação do número de empreendimentos, área global de construção e o número de unidades habitacionais; padrão, utilizando aspectos como a área privativa e o número de suítes de cada unidade; além da espacialização da produção. Procedimentos metodológicos combinados foram aplicados a fim de otimizar a obtenção dos dados e a análise dos resultados, com posterior elaboração de gráficos e tabelas. Os resultados demonstraram uma oscilação da produção durante os anos de 2000 a 2006, com um gradativo aumento a partir do ano de 2007 até 2011, quando, posteriormente, houve uma vertiginosa queda, iniciada em 2012, culminando com uma produção estagnada no ano de 2015, refletindo o cenário econômico vivenciado à época.