The appearance of the Selo Casa Azul issued by Caixa Econômica, the main bank that finances housing production in Brazil, confirms the trend towards the construction of sustainable housing developments, a currency that also reaches the low-income housing sector, as it generates a reduction in housing costs, quality of life for the user and reduced environmental impact. From this point of view, this article seeks to analyze the potential of Selo Casa Azul in the production of sustainable low-income housing. In order to evaluate this potential, two projects that have already been certified by Selo Casa Azul in gold Level are selected: The HAB 2 building in the Babilônia community in Rio de Janeiro and the Condomínio E e G building in the Paraisópolis community in the city of São Paulo. Based on the analysis of the criteria that have been reached and on elaborated tables, the common points are verified, as well as the most relevant ones for the achievement of the gold level. In addition, a comparison is made between the Selo Casa Azul and Standard 15575 - Housing Building Performance, with the purpose of identifying similarities between the Selo Casa Azul requirements and the standard criteria. As a result, the common points detected are systematized. In this way, it can be observed that the Selo Casa Azul is not very close to NBR 15575, and in the two projects analyzed, Condomínio E and G conquered a greater number of criteria, but concentrated them in a single category. The HAB 2 building, although it obtained fewer criteria, managed to distribute them in a more uniform and balanced way, not prioritizing a single category. Even so, the Selo Casa Azul is an important tool in the insertion of projects intended to low- income housing in the context of sustainable buildings.

O surgimento do Selo Casa Azul expedido pela Caixa Econômica, principal banco financiador da produção habitacional, corrobora a tendência da construção de empreendimentos habitacionais sustentáveis, inclinação que também alcança o setor da habitação de interesse social, por gerar redução de gastos com moradia, qualidade na vida do usuário e diminuição no impacto ambiental. Sob esse ponto de vista, este artigo busca analisar o potencial do Selo Casa Azul na produção de habitação de interesse social sustentável. Para avaliar esse potencial, destacam-se dois empreendimentos já certificados pelo Selo em nível ouro: O edifício HAB 2 na comunidade da Babilônia, no Rio de Janeiro e o Condomínio E e G na comunidade de Paraisópolis, em São Paulo. Com base na análise dos critérios que foram alcançados e em tabelas elaboradas, verificam-se os quesitos em comum, bem como os mais relevantes para a conquista do selo em nível ouro. Ademais, é realizada uma comparação entre o Selo Casa Azul e a Norma 15575 – Edificações Habitacionais – Desempenho, com o propósito de identificar similaridades entre os quesitos do selo e os critérios da norma. Como resultado, sistematiza-se os pontos em comum detectados. Dessa maneira, observa-se que o Selo Casa Azul pouco se aproxima da NBR 15575, e nos dois empreendimentos analisados, o Condomínio E e G conquistou maior número de critérios, porém concentrou-os em uma única categoria. O edifício HAB 2, embora obteve menor quantidade de critérios, conseguiu distribuí-los de maneira mais uniforme e equilibrada, não priorizando uma única categoria. Por fim, conclui-se que o Selo é uma ferramenta importante na inserção de empreendimentos destinados à habitação de interesse social no contexto das edificações sustentáveis.